quinta-feira, novembro 02, 2006

Ungern

Há 120 anos atrás, mais precisamente em 22 de Janeiro de 1886, nasceu aquele que viria a ficar conhecido como o "Barão Negro", o "deus da guerra" ou o "Barão Louco", o famoso General-Barão Roman Feodorovich von Ungern-Sternberg, imortalizado por Corto Maltese nas suas incursões pela Sibéria.

Jean Mabire, entre outros, escreveu já a sua biografia: "Le Dieu de la Guerre: Ungern", editado pela Art et Histoire d'Europe nos já longínquos anos 80 (e agora reeditado na Livre de Poche). Trata-se de uma obra apaixonante e que se lê num ápice, tal a cadência dos episódios aí descritos.

General branco, ao lado de oficiais como os Generais Semenov, Wrangel ou Kornilov, ou o Almirante Kolchak, Ungern ficará para sempre conhecido pelas suas muitíssimo eficazes tácticas no combate aos comunistas. Tácticas marcadas pela sua admiração por Gengis-Khan e pelos mongóis e caracterizadas pela maior das violências, perpetradas pela horda que sempre o acompanhava. Do combate aos soviéticos depressa passou para as suas próprias guerras, com incursões na China, para restaurar a dinastia Qing, ou, mais tarde, na Mongólia, procurando instalar aí o seu Reino como ponto de partida para a criação de um grande império asiático.

Com as suas aventuras, acabou por ser o último general branco a enfrentar Lenin, vindo a morrer em 1921, executado pelos comunistas, depois de traído por um dos seus próximos. Contudo, o seu símbolo (o "U" = ferradura) será para sempre lembrado nas estepes da Mongólia todas as vezes que por aí passar um cavaleiro. Uma marca de sangue, da cor dos seus inimigos.

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial