segunda-feira, fevereiro 12, 2007

Odete Santos no seu melhor

Filha de um Partido cujo pedigree democrático é conhecido de todos, a deputada comunista Odete Santos, no rescaldo do referendo, usou contra não me lembro quem o argumento terrorista de que Salazar, no plebiscito da Constituição de 1933, "também interpretou a abstenção como voto a favor". É um velho recurso dialéctico do partido que sempre defendeu e aplicou à mão armada, quando pode, o princípio de que as suas "maiorias políticas" (mesmo com 7,5% de votos) valem mais do que quaisquer maiorias simplesmente "aritméticas". Mas não tinha nada que ver com o que se discutia ontem: no famoso plebiscito de 1933 o significado da abstenção era, goste-se ou não do sistema, parte das regras do jogo conhecidas antecipadamente - e não uma interpretação a posteriori.

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial