domingo, maio 18, 2008

QUE FITA VAI HOJE? - FOI ONTEM

Vejo, admirado, que passaram dez dias - dez dias! - desde a última vez. Onde tenho tido a cabeça? Nestes dez dias, não faltaram, como nunca faltam, motivos para aqui estar, entre os quais, por exemplo, uma passagem no TCM de White Heat (Fúria sanguinaria, Raoul Walsh, 1949 ) um dos "clássicos" da grande época do filme de gangsters da Warner Brothers, com James Cagney, a sua fixação maternal (famosasa últimas palavras: top of the world, mom, top of the world, antes de deasaparecer envolto em chamas), as sua "migraines" neuróticas. Há no filme uma cena famosa em que o protagonista interpretado por Cagney perde as estribeiras quando lhe chega, em pleno refeitório da cadeia em que está preso, a notícia da morte da mãe; no tempo em que era praticamente impossível rever filmes a partir do momento em que saíam do circuito comercial das salas de cinema, um crítico amigo meu "contou-me" essa cena como exemplo de um tour de force de montagem à revelia das regras estabelecidas; muito mais tarde, acabei por apanhar o filme numa reposição qualquer e, sem com isto querer desmerecer do impacto dessa cena, verifiquei que o meu amigo tinha "visto", com muito talento, uma montagem inexistente - e o filme obedecia com muito juízo às práticas consagradas (não havia, ao contrário do que me tinha descrito, o corte de um grande plano do actor para um plano geral do refeitório no momento da "explosão", invertendo a ordem convencional dos planos). Assim se teve de fazer durante muito tempo a "história" do cinema, na base da memória, que tanto gosta de nos atraiçoar.
Ontem, a RTP 2 deu-nos a Morte em Veneza (Death in Venice, 1971) de Luchino Visconti, que vi pela primeira vez integralmente (sempre me faltou a paciência - com razão, infelizmente). O grande Visconti de Ossessione, de Bellissima, de Senso, de Rocco e os seus irmãos, de tantos filmes indispensáveis, incluindo, claro, O Leopardo, tem aqui um dos seus grandes tropeços, num filme que não passa de um devaneio maçador e possidónio de "decorador" decadente, com imagens belíssimas e uma das piores interpretações de sempre de Dirk Bogarde, em quem Visconti não conseguiu operar a magia que fez de Burt Lancaster um Príncipe de Salina definitivo. E o maldito abuso do zoom que nos anos 70 arruinou ou maculou tantos filmes.

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial