terça-feira, dezembro 12, 2006

Diário de Paris

Confesso que tenho sempre o maior dos gostos em ler os livros do Embaixador Marcello Duarte Mathias. Primeiro pelo bem que o autor escreve, depois pelo interesse dos mesmos e pela leitura sempre agradável que proporcionam. Podíamos falar de diversas das suas obras como O Último Lance, viajando por várias capitais europeias, em torno do jogo de xadrez, ou o Diário da Índia, relativo aos anos de 1993 a 1997, ou ainda o fantástico A Memória dos Outros, carregado de reflexões sobre diversos autores e personalidades estrangeiras. Todos, livros que recomendamos facilmente e que se lêem quase sem parar, de uma ponta à outra, tal a cadência que impõem e a curiosidade que despertam.

Agora, o autor volta à carga com o recentíssimo Diário de Paris, 2001-2003, também ele marcado pela variedade dos temas sobre que se debruça, por gostos e paisagens pessoais e por reflexões sempre marcadas pela originalidade. Contudo, este livro é também caracterizado por Paris ter sido o cenário onde travou porventura a mais difícil das batalhas, desta feita contra a doença. É um assunto que não evita e de que nos fala com grande coragem e serenidade.

Como qualquer obra do Embaixador Marcello Duarte Mathias, é um livro cuja leitura vivamente recomendamos.

1 Comentários:

Blogger Pedro Proença disse...

Acabei de ler o livro ontem e acho uma reflexão notável sobre a vida e tudo o que ela tem de mais trágico (o convivio com a ideia e presença da morte) e mais belo (a cultura humana em forma de arte).

Pedro Proença

quarta-feira, dezembro 13, 2006 8:21:00 da manhã  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial