domingo, novembro 30, 2008


"O republicano dirigia-os com dureza. Homem de teorias, só lhe importavam as massas e mostrava-se implacável com as pessoas."

(L'éducation sentimentale, Histoire d'un jeune homme, Gustave Flaubert, 1869)


"Em resumo, vejo três partidos..., não! três grupos - dos quais nenhum me interessa: os que têm, os que já não têm e os que tratam de ter."

(L'éducation sentimentale, Histoire d'un jeune homme, Gustave Flaubert, 1869)


The best way to rob a bank is to own one. ("A melhor maneira de assaltar um banco é ter um.")

William Crawford, Commissioner do California Department of Savings and Loans, citado por Niall Ferguson, no artigo "Is this the end of banks?", na revista Vanity Fair, Dezembro 2008 - a ler, como se costuma dizer, absolutamente.


Passeio Alegre, Foz do Douro, Porto. Foi a minha primeira imagem do mar e hoje apeteceu-me cá voltar. Esta luz e estas nuvens, estes rochedos e esta espuma vi-os depois em muitos outros lugares - Em Valparaíso no Chile, em Benguela em Angola, na costa do Maine, até mesmo em São Salvador da Baía... Mas aqui foi a primeira vez.
E como estamos em tempo pessoano, com o Colóquio de encerramento dos 120 anos do nascimento do poeta, deixo aqui um Heterónimo significativo:

Uma após uma as ondas apressadas
Enrolam o seu verde movimento
E chiam a alva 'spuma
No moreno das praias.
Uma após uma as nuvens vagarosas
Rasgam o seu redondo movimento
E o sol aquece o 'spaço
Do ar entre as nuvens 'scassas.
Indiferente a mim e eu a ela,
A natureza deste dia calmo
Furta pouco ao meu senso
De se esvair o tempo.
Só uma vaga pena inconsequente
Pára um momento à porta da minha alma
E após fitar-me um pouco
Passa, a sorrir de nada.

Ricardo Reis, in "Odes"

sábado, novembro 29, 2008


1929-Por enquanto, nada parecido...

Peggy Noonan escreve hoje no WSJ,comparando a actual crise com a "Crise de 29":

"I am thankful for something we're not seeing. One of the weirdest, most perceptually jarring things about the economic crisis is that everything looks the same. We are told every day and in every news venue that we are in Great Depression II, that we are in a crisis, a cataclysm, a meltdown, the credit crunch from hell, that we will lose millions of jobs, and that the great abundance is over and may never return. Three great investment banks have fallen while a fourth totters, and the Dow Jones Industrial Average has fallen 31% in six months. And yet when you free yourself from media and go outside for a walk, everything looks . . . the same.
Everyone is dressed the same. Everyone looks as comfortable as they did three years ago, at the height of prosperity. The mall is still there, and people are still walking into the stores and daydreaming with half-full carts in aisle 3. Everyone's still overweight. (An evolutionary biologist will someday write a paper positing that the reason for the obesity epidemic of the past decade is that we were storing up food like squirrels and bears, driven by an unconscious anthropomorphic knowledge that a time of great want was coming. Yes, I know it will be idiotic.) But the point is: Nothing looks different.
In the Depression people sold apples on the street. They sold pencils. Angels with dirty faces wore coats too thin and short and shivered in line at the government surplus warehouse. There was the Dust Bowl, and the want of the cities. Captains of industry are said to have jumped from the skyscrapers of Wall Street. (Yes, those were the good old days. Just kidding!) People didn't have enough food.
They looked like a catastrophe was happening.
We do not. It's as if the news is full of floods but we haven't seen it rain.


(Capa do livro de Ben S. Bernanke, actual Director-Geral do FED dobre a "Grande Depressão)

"The Krugman Recipe for Depression
Massive government spending is no solution to unemployment."


Paul Krugman of the New York Times has been on the attack lately in regard to the New Deal. His new book "The Return of Depression Economics," emphasizes the importance of New Deal-style spending. He has said the trouble with the New Deal was that it didn't spend enough.
He's also arguing that some writers and economists have been misrepresenting the 1930s to make the effect of FDR's overall policy look worse than it was. I'm interested in part because Mr. Krugman has mentioned me by name. He recently said that I am the one "whose misleading statistics have been widely disseminated on the right."
Mr. Krugman is a new Nobel Laureate, teaches at Princeton University and writes a column for a nationally prominent newspaper. So what he says is believed to be objective by many people, even when it isn't. But the larger reason we should care about the 1930s employment record is that the cure Roosevelt offered, the New Deal, is on everyone else's mind as well. In a recent "60 Minutes" interview, President-elect Barack Obama said, "keep in mind that 1932, 1933, the unemployment rate was 25%, inching up to 30%."
The New Deal is Mr. Obama's context for the giant infrastructure plan his new team is developing. If he proposes FDR-style recovery programs, then it is useful to establish whether those original programs actually brought recovery. The answer is, they didn't. New Deal spending provided jobs but did not get the country back to where it was before.
This reality shows most clearly in the data -- everyone's data. During the Depression the federal government did not survey unemployment routinely as it does today. But a young economist named Stanley Lebergott helped the Bureau of Labor Statistics in Washington compile systematic unemployment data for that key period. He counted up what he called "regular work" such as a job as a school teacher or a job in the private sector. He intentionally did not include temporary jobs in emergency programs -- because to count a short-term, make-work project as a real job was to mask the anxiety of one who really didn't have regular work with long-term prospects.
The result is what we today call the Lebergott/Bureau of Labor Statistics series. They show one man in four was unemployed when Roosevelt took office. They show joblessness overall always above the 14% line from 1931 to 1940. Six years into the New Deal and its programs to create jobs or help organized labor, two in 10 men were unemployed. Mr. Lebergott went on to become one of America's premier economic historians at Wesleyan University. His data are what I cite. So do others, including our president-elect in the "60 Minutes" interview.
Later, Lee Ohanian of UCLA studied New Deal unemployment by the number of hours worked. His picture was similar to Mr. Lebergott's. Even late in 1939, total hours worked by the adult population was down by a fifth from the 1929 level. To be sure, Michael Darby of UCLA has argued that make-work jobs should be counted. Even so, his chart shows that from 1931 to 1940, New Deal joblessness ranges as high as 16% (1934) but never gets below 9%. Nine percent or above is hardly a jobless target to which the Obama administration would aspire.

What kept the picture so dark so long? Deflation for one, but also the notion that government could engineer economic recovery by favoring the public sector at the expense of the private sector. New Dealers raised taxes again and again to fund spending. The New Dealers also insisted on higher wages when businesses could ill afford them. Roosevelt, for example, signed into law first his National Recovery Administration, whose codes forced businesses to pay an above-market minimum wage, and then the Wagner Act, which gave union workers more power.
As a result of such policy, pay for workers in the later 1930s was well above trend. Mr. Ohanian's research documents this. High wages hurt corporate profits and therefore hiring. The unemployed stayed unemployed. "If you had a job you were all right" -- the phrase we all heard as children about the Depression -- really does capture the period.
Why does all this matter today? Because lawmakers are considering new labor legislation containing "card check," which would strengthen organized labor and so its wage demands. Because employees continue to pressure firms to spend on health care, without considering they may be making the company unable to hire an unemployed friend. Piling on public-sector jobs or raising wages may take away jobs in the private sector, directly or indirectly.
What the new administration decides about marginal tax rates also matters. Mr. Obama said in a Thanksgiving talk that he wanted to "create or save 2.5 million new jobs." People who talk about saving new jobs are usually talking about the private-sector's capacity to generate jobs in the future -- not about the public sector alone. We know that the new administration is going to spend. But how? It can try to figure out a way to do that without hurting the private sector. Or it can just spend, Krugman-wise, and risk repeating the very depression we seek to avoid.
Ms. Shlaes is senior fellow at the Council on Foreign Relations and the author of "The Forgotten Man: A New History of the Great Depression" (HarperPerennial, 2008).

quarta-feira, novembro 26, 2008


Senhoras e Senhores, Queridos Amigos:
Quero começar por agradecer ao Francisco Seixas da Costa, as suas palavras sobre mim e sobre estes JOGOS AFRICANOS. Somos de facto muito amigos, apesar de itinerários ideológicos e políticos bem diferentes. E para além desse comum sentido de humor e de independência crítica, de pessoas livres, temos mesmo que pensado e vivido de modos diferentes, uma idêntica e indefectível lealdade a Portugal e aos seus interesses. E a sua amiga e generosa disponibilidade de atravessar o Atlântico num fim de semana para vir apresentar este livro.
Depois, como é da praxe, mas aqui também do fundo do coração, quero agradecer a todos que aqui estão e fazem parte do livro, porque entraram na história que ele conta: muito especialmente à Arminda, viúva e à Micaela filha do Alfredo Aparício, um amigo inesquecível e um grande português, a quem são dedicados estes Jogos Africanos; e ao Sr. António Luís Alves, o “Mister Banana”, e ao Zé Penha Rodrigues, pelo seu apoio logístico na retirada estratégica para o Sul. E claro à Zézinha que fez essa e outras caminhadas complicadas comigo. E neles e através deles a essa legião de pessoas que nestes anos partilharam connosco estas histórias.
Isto quanto à história. Quanto ao livro quero agradecer primeiro ao José Calvin e à Sofia Monteiro e a toda a equipa da Esfera dos Livros que são uns editores disponíveis, sensíveis, com quem trabalhar é um gosto. E depois à Inês Pinto Basto que, desta vez, foi mais que uma colaboradora, uma verdadeira co-autora, com um trabalho marcado pela inteligência, arte e dedicação. E que conseguiu disciplinar e ordenar além da minha escrita, o meu modo de produção. E à Isabel Barata Feio que há muitos anos converte, pacientemente, os meus hieróglifos em letra de forma e passou e repassou este texto.

Estes JOGOS AFRICANOS têm origem, como outras coisas importantes da minha vida, mais no acaso que na predestinação.
A ESFERA DOS LIVROS – na pessoa do José Calvin e da Sofia Monteiro – satisfeitos com o meu “Salazar – O outro Retrato” convidaram-me, faz um ano, para escrever uma História da África Portuguesa.
Era uma proposta sedutora, para contar uma história de fôlego, uma história de 560 anos – que começava em 1415 naquela manhã alegre da conquista de Ceuta e seguia com as caravelas do Infante a passarem o Bojador e acabava com o trágico regresso dos Boeings com os retornados da Ponte Aérea em 1975.
Garanti a colaboração da Inês, e comecei a reler as viagens do Cadamosto e a Crónica da Guiné do Zurara. Para inspiração e para agarrar o espírito do tempo fui ao Museu das Janelas Verdes rever o Infante D. Henrique dos painéis de S. Vicente. E outra vez me intrigou aquele seu chapéu, único… Um amigo sábio – talvez o Martim de Albuquerque – disse-me que era um chapéu borgonhês! Nunca vira outro assim em Portugal.
Mas enquanto ia meditando nestes e noutros enigmas menos frívolos da Grande Aventura Portuguesa, fui escrevendo uma introdução, recriando e relembrando os meus encontros e experiências africanas. Desde imagens de infância, de exploradores e expedições coloniais, e da leitura das Minas de Salomão, à minha chegada à África real, em Angola, em 1974, nos meses do fim do Império. Um prefácio que foi crescendo até chegar às 60 páginas.
As pessoas que tiveram acesso a este esboço e os editores acharam que, apesar do enigma do chapéu do Infante e dos chapéus coloniais, apesar da história da ocupação, da fundação das cidades e dos caminhos de ferro no século XX, era talvez mais interessante – ou mais urgente – para aqui e para agora, contar a história mais próxima. E, para isso, desenvolver a tal introdução. Que era a história que aconteceu na África que tinha sido “portuguesa” depois de Portugal e dos portugueses, uma história de conflitos, de intriga, de guerra civil, de engenharias da paz. E o lugar dessa África lusófona, no Grande Jogo do mundo. O chapéu do Infante e as aventuras, venturas e desventuras da colonização e da descolonização podiam esperar.
Foi assim que apareceu este livro.
Baptizei-o à nascença, o que não é meu costume. Mas desta vez roubei o título – Jogos Africanos – a um escritor para mim muito importante – Ernst Jünger. Os seus Afrikanische Spiele são de 1936, e neles conta a fuga de casa, adolescente, para a Legião Estrangeira francesa. Eu fui, homem feito e pai de filhos, como voluntário, para o Exército Português – o que não é a mesma coisa. Mas roubei-lhe o título, conscientemente, como uma homenagem e um sinal cabalístico de identidade.
Agora o livro, a substância. Há dias ouvi o Marcello Mathias dizer que um autor não deve explicar ou falar do seu livro! Concordo. A partir do momento que o escreve, que o acaba o autor deve-o deixar ir à vida, como o Deus de Leibniz terá feito com o mundo. O livro vale o que vale: depois de escrito, é dos editores, dos leitores, dos críticos. De todos menos do autor.
Mas se não deve falar do texto, o autor pode – e deve – explicar o contexto. Quando pelo telefone dizia a alguém o que era o livro – e disse que eram as minhas memórias de África – a Zézinha, deu-me um ralhete. Que ninguém queria saber de memórias para nada! Que este livro era uma história da África lusófona e da África Austral dos últimos trinta anos, uma história em que eu tinha estado presente e participante.
É verdade. A minha memória e a minha história são só um fio condutor da memória e da história de Angola, de Moçambique, da África Austral entre a Descolonização portuguesa e o fim das guerras civis. Porque nas “memórias” passeamos o nosso olhar, de fora para dentro e de dentro para fora, e vamo-nos entregando a considerações históricas, psicológicas, literárias, humorísticas, sobre paisagens, pessoas, amigos, inimigos, coisas importantes ou que achamos importantes. Mas nós somos o centro da história.
Não é o caso de Jogos Africanos. Aqui eu não andei à procura do mundo nem o mundo à minha procura.
Escrevi primeiro para acertar contas com o meu e nosso passado e tentar percebê-lo. Descubro-me melhor – no duplo sentido de me encontrar e de me destapar – a escrever. A minha experiência é paralela à de muitos da minha geração, geração no sentido cronológico e ideológico: a dos portugueses nascidos no imediato pós-guerra, formados existencialmente e intelectualmente, nos anos 60, com guerras perdidas – Argélia, África, Vietname – escritores reencontrados ou descobertos – Nietzsche, Sorel, Péguy, Proust, Scott Fitzgerald, Hemingway, Huxley, Malraux, Jünger, Drieu de la Rochelle; mais os clássicos portugueses de Camilo a Eça e a Pessoa; e os autores franceses e italianos do meio do século XX, os filmes italianos e americanos de 60 e 70, a música do Brel, dos Beatles e dos Rolling Stones, as cidades - Paris, Londres, Roma, Madrid… quase só Europa.
Por cá, nesta nossa polis, foram as lutas académicas, as guerras da cultura e a guerra de África. Fui a todas! À de África, no fim. Como achávamos que lutávamos – já na Faculdade - em minoria e ainda por cima contra “o sentido da História”, habituámo-nos a resistir e a preparar a guerrilha. Tive sempre a sensação de pertencer àqueles grupos especiais - ou menos especiais - que cobrem as retiradas: rebentam as pontes, minam os itinerários e fazem umas emboscadas às vanguardas inimigas para lhes retardar a marcha. Se ficarmos pelo caminho, ninguém quer saber de nós. Somos expendable. E como só retardámos, não impedimos o avanço, se temos sucesso ninguém dá por isso. Não nos condecoram nem nos agradecem. Habituámo-nos assim.
Esta é a primeira parte desta história – que acabou no exílio - na África do Sul, no Brasil, em Espanha. Depois fui para a história dos outros, para os lugares onde a História ia continuar a fazer-se. Nos anos 80 percebi que essa era a forma mais certa – e a única possível – de continuar este jogo, já que não não me curava dele e do tal “mal de l’Afrique” de que falava Psichari. E tinha questões a arrumar. Sobretudo comigo.
Fomos para a Guerra Fria com essa ideia de acertar contas. Era uma guerra de outros, mas em que podíamos fazer a diferença. Como combatentes “internacionais”, internacionalistas. Como o Bin Laden foi combater os russos para o Afeganistão, os comunistas foram para Espanha em 1936 e os zuavos pontifícios defender o Papa, no século XIX. Foi assim que entrámos a ajudar os “nossos” freedom fighters na África Austral.
Depois, por um processo que espero ter conseguido escrever e descrever no livro – e foi a primeira vez que eu próprio comecei a entendê-lo bem – as coisas mudaram: e já não queríamos ganhar a guerra – ou que “os nossos” ganhassem – mas queríamos a paz. Para todos – os nossos e os outros. E a partir da curiosidade e da vontade de a conseguir, tive a experiência e o privilégio, que também aqui ficam contados, de fazer o vaivém amigos-inimigos, azuis e encarnados, entre trégua e guerra, tendo por rede e segurança os “factores humanos” de todos – de lealdade, honra - e de interesse claro! Para um pessimista antropológico, criado na desconfiança hobbesiana do outro, não estive mal.
Porque as ideologias e as convicções políticas não escolhem nem delimitam o bem e o mal. E – ao contrário da convicção adolescente – em que as bandeiras e os partidos dividem os “bons” dos “maus”, a vida não é assim. E há um capítulo da ética – a “ética dos inimigos” – que é mais importante que muitas outras éticas faladas nelas glorificadas. Porque é o que nos une é só a nossa condição humana.
Acabámos por estar, assim, no centro de muitas coisas acontecidas no último quartel do século XX: o fim do Império português, o exílio e conspirações dos portugueses em três países e três continentes, África do Sul, Brasil, Espanha, África, América, Europa. E vimos nascer em Washington a revolução conservadora e assistimos ao final da Guerra Fria em Berlim, e às guerras civis de Angola, de Moçambique e da Guiné-Bissau.
De fascinados pelas ideias que éramos, passámos a estar mais atentos também às pessoas e às coisas. Há, nesta narrativa, uma evocação dessas pessoas –quase todas ainda vivas, mas outras mortas e violentamente – como Evo Fernandes, Ansumane Mané, Jonas Savimbi, Salupeto Pena, Jeremias Chitunda, Wilson Santos, tantos…
E também se fala da aprendizagem do exílio, que é sempre – mesmo quando as alternativas são a prisão, o silêncio e a humilhação dos vencidos não convencidos –uma humilhação e uma via-sacra. Foi aí que experimentámos outra forma de conhecer e amar a pátria, de fora para dentro, como lugar estranho e distante. E pensámos noutros, de outras bandeiras, que passaram pelo mesmo.
Depois nestas terras e nestas guerras, encontrámos e descobrimos gente extraordinária entre os nossos e os outros, entre amigos e inimigos. E eles descobriram-nos a nós.
E reaprendemos a ver as coisas e o mundo – a olhar a terra e a olhar para o céu aberto que é um privilégio da África: nas noites do Leste de Angola, nas luzes de Joanesburgo, na Ilha de Luanda – falando com comandantes guerrilheiros, soldados perdidos e generais governamentais; e voando nos Cessnas ou Dakotas por aquele céu azul pastel ou ferrete (não percebo muito de azuis), que me lembrava o céu dos poemas de Alberto Caeiro e vermos o sol nascer do Índico e desaparecer no Atlântico.
Para este livro, que levou um ano a escrever e finalizar, ouvi muita gente e entre outras, as pessoas que fazia sentido ouvir. Nem todas. Estas entrevistas, de que uma pequena parte foi utilizada ou transcrita directamente, foram também uma experiência humana e intelectual importante. Com grande confiança e generosidade, essas pessoas – uns velhos amigos, outros velhos inimigos, outros nem uma coisa nem outra - contaram-me as suas histórias nesta história, fizeram a narrativa com grande à vontade. Pela minha parte, usei os testemunhos com sobriedade e prudência. E nalguns casos, e com perda talvez para algum sensacionalismo, retirei o que sendo interessante poderia ser nocivo para os próprios ou terceiros.
Porque escrever sobre temas e factos que são sensíveis, de vida e de morte, é um exercício no fio da navalha ou do arame. Não podemos trair a confiança de pessoas que, quando trataram coisas connosco, não estavam a pensar que um dia, mesmo muito depois, contaríamos o que disseram ou fizeram então. Respeitei essa regra.
Finalmente – e sem pretensões – acho que devia este livro ao meu país, aos meus amigos, à minha Família, aos vivos e sobretudo aos mortos, que perderam tudo nestes Jogos Africanos. É também uma homenagem à memória deles. De todos.
Muito Obrigado.
Jaime Nogueira Pinto
24 de Novembro de 2008

domingo, novembro 23, 2008


Para já e durante toda uma longa e preguiçosa tarde de domingo, o Lawrence da Arábia, (1962) de David Lean, que o Hollywood torna a dar-nos oportunidade de ver ou rever, grande filme dos anos 60 que não é, além disso, uma má introdução à questão política do Médio-Oriente que continua a perseguir-nos. Argumento impecável de Robert Bolt, um casting inspirado, a começar por Peter O'Toole, Lean no seu melhor, etc. Estreou no Tivoli, em Lisboa, há quase cinquenta anos e está na mesma. À noite, continua a ser o Hollywood a dominar: às 20.00, o terceiro episódio de Parque Jurássico (Jurassic Park, III, 2001), uma das rendosas invenções de Michael Crichton, o escritor e realizador que morreu há pouco tempo, com 66 anos. Não há tempo para um inventário de tudo o que escreveu, dirigiu, produziu. Um talento com certos limites, mas prolífico, muitas vezes pertinente e sempre entretenido, como dizem nuestros hermanos. Deixa algumas saudades, pelo menos para os cépticos da literatura do "aquecimento global" e de outras coisas consensuais, como eu; a seguir, Um demónio vestido de azul (Devil in a Blue Dress, 1995, o filme que consagrou completamente o talento de Don Cheadle), um film noir, em vários sentidos, dirigido por Carl Franklin, com Denzel Washington no papel de Easy Rawlins, uma criação do romancista também negro Walter Mosley, protagonista de uma série de best-sellers às cores que contam as aventuras de um "detective privado" amador e ao mesmo tempo a história do Los Angeles "afro-americano" da segunda metade do século XX: A Red Death, White Butterfly, Black Betty, A Little Yellow Dog; parei neste, ainda tenho, aqui à minha frente, por ler, Little Scarlet, também "an Easy Rawlins Novel", e dois ou três mais do mesmo autor que não pertencem à série; finalmente, Jaws (O Tubarão, 1975) de Steven Spielberg, se alguém ainda não viu. O TCM concorre fortemente com o Hollywood no horário das 20.00: Point Blank (À queima-roupa, John Boorman, 1967, com Lee Marvin). Ontem à noite tivemos oportunidade de ver um dos mais conseguidos filmes de Manoel de Oliveira, da série Agustina Bessa-Luís: Espelho mágico.


JORNAL DE NOTÌCIAS, 23 Novembro 2008 ," Jogos africanos"

Jaime Nogueira Pinto lança amanhã obra autobiográfica em que narra a África do seu imaginário até às experiências no terreno desde 1974 até agora.

"O meu primeiro encontro com a África e os africanos foi no sótão do n.º 28 da Rua João das Regras, no Porto. Estou quase certo disto porque nasci e vivi até aos oito anos nessa casa. O Miguel Bénis e eu tínhamos descoberto o sótão naqueles roteiros iniciáticos dos miúdos, feitos de explorações de quintais, jardins, becos, bosques, caves e outros lugares selectos de mistérios e aventuras.
E o sótão, por estar proibido às crianças, era um desses fascinantes longes de além porta que nos metemos a desvendar. E no meio de um característico cheiro a mofo e do pó dos tempos, à luz de uma clarabóia baixa, jazia um armário fechado a cadeado. Conseguimos abri-lo, e demos com uma enorme quantidade de papéis - livros, revistas, títulos de obrigações e acções de companhias falidas, pastas, dossiers, retratos.
Mas havia sobretudo livros, muitos livros, em estado desconjuntado mas ainda folheáveis. Foi aí, entre uma série de itinerários africanos de viajantes portugueses do século XIX, que nos apareceram o Capelo e o Ivens sentados numa sanzala, de chapéu colonial, carabina, pistolão e bota alta. Do mesmo armário saiu-nos o Serpa Pinto em forma de foto-desenho, de cabelo e barbas hirsutos, no seu Como eu atravessei África. E lá vinha outra vez o explorador, agora sob a legenda «Serpa Pinto e os seus moleques de confiança», sentado, armado e ladeado por dois negros com bom aspecto, também de carabinas. Pretos bons, concluíamos nós.
Esta África, descoberta com algum risco nas tardes de chuva em que a casa ficava por nossa conta, era completada por outras expedições africanas que vinham nas revistas aos quadradinhos como o Mosquito, o Mundo de Aventuras ou o Cavaleiro Andante. Nas minhas primeiras leituras de livros sem bonecos - ler livros sem bonecos era, na época, um rito de passagem - apanhei As Minas de Salomão, de Ridder Haggard, na versão do Eça de Queirós.
Vivi a fundo, com o Eça, este mundo das raças negras guerreiras, dos regimentos zulus ou impis, das danças rituais, das batalhas da colina e de Lu, onde as armas de fogo dos europeus fazem a diferença. E vivi também a morte, sempre tão presente nesta e noutras narrativas de África. A morte à espreita no campo aberto da savana com o leão, nos rios, com o crocodilo, na selva, com as cobras. Ou a que vem dos homens, das setas envenenadas, das emboscadas, dos recontros.
Era uma história paradigmática. Os brancos metidos em África sempre pelas razões mais nobres e mais sórdidas: para salvar almas e para o saque, para ajudar perseguidos, mas também para patrocinar protegidos, usando-os para controlar os outros. E naquela ficção, como na vida real, tudo quase sempre tão misturado, tão indistinto, tão próximo, apesar do aparente preto e branco. As Minas de Salomão foram, para o meu imaginário, um impressionante baptismo de fogo africano. Que iria revelar-se muito mais exacto e próximo da realidade do que eu, na altura, poderia supor."

As a go-between

"A partir de um certo momento, nestes jogos africanos, quando quis ser mediador num conflito pouco mediável, tive o risco e o privilégio de poder estar simultaneamente em dois campos. Foi uma tentativa que falhou no seu plano substancial e objectivo: a guerra continuou e a paz só veio quando houve um claro vencedor. Pelo meio, vivi com gente em risco moral e físico, gente dividida, gente animada de um pathos político verdadeiro, gente empenhada e séria, gente até ao fim.
Tinha acabado de entrar nos 50 e nunca passamos pelo tempo impunemente. Descobrimos que, se existem ideologias ou sistemas mais ou menos perversos - e alguns até intrinsecamente perversos, como Pio XII qualificava o comunismo -, os homens e a natureza humana obedecem a outras constantes e, nesse sentido, são iguais em todo o tempo e lugar. Também aqui, os quadros e o povo da UNITA e os quadros e o povo do MPLA não eram melhores ou piores uns que os outros pela sua ligação ou opção ideológica. Aliás, essa opção fora quase sempre determinada por factores étnicos, culturais, territoriais, familiares, de tempo e de circunstância. Uns tinham ido para a guerrilha contra a administração portuguesa - de Savimbi a Ndalu, de N'zau Puna a Samuel Chiwale ou a Pepetela -, enquanto outros, a maioria dos jovens quadros da UNITA do Planalto e uma parte dos quadros militares das FAA, tinham feito a tropa no exército português.
Num e noutro lado havia os corajosos, os coerentes, os decentes, os cultos, os sensíveis, os que viam os inimigos como seres humanos separados pela História e pelas conjunturas, e os oportunistas, os cínicos, os mal-formados, os facciosos, os brutos, os racistas, os pregadores do extermínio dos contrários, sempre sectários e guiados por um único fito - sobreviver, subir, enriquecer, estar no momento certo no lado da vitória. A todo o custo."

Com Chissano em Moçambique
O general João de Matos dera-me um contacto para um elemento da Inteligência militar moçambicana, o coronel Estanislau Fidelis de Sousa. Fidelis era de uma família de cristãos de Goa (Moçambique, na organização administrativa do império português, foi muitos anos governado a partir de Goa) e era um homem cortês, que se mexia bem na nomenklatura local, com fácil acesso bem acima. Através dele combinei um encontro com o Presidente da República Joaquim Chissano.
Eu sabia que Chissano sabia do meu envolvimento na política moçambicana e do meu papel junto de Dhlakama e da RENAMO, mas não estava bem certo se os relatos eram fidedignos e até que ponto. O coronel Fidelis preparou o encontro e, nas vésperas do regresso a Lisboa, num sábado ao meio-dia, enfiei o meu fato azul de riscas, próprio para chefes de Estado, ministros e presidentes de Bancos.
Chissano recebeu-me pontualissimamente, ao meio-dia e dois minutos, no jardim do seu gabinete da Presidência, na Julius Nyerere, ao lado do Polana. Foi uma conversa franca e descontraída. Detivemo-nos - é sempre uma conversa recorrente com moçambicanos - na comparação do processo de Moçambique com o processo angolano e eu, a este propósito, disse-lhe: "Presidente, o Senhor tem a sorte de ter um líder da oposição que leva a sério o seu papel e que gosta de ser líder da oposição. É uma sorte e deve tratá-lo bem, com respeito, sobretudo com respeito!"
Referia-me às queixas recebidas dos meus amigos da RENAMO e do próprio Dhlakama sobre as dificuldades financeiras do partido, e uma certa exclusão em que se encontravam os seus membros mais destacados em relação a benefícios económicos e a estatuto social. O Raul Domingos chegara a falar -me uma vez para saber se seria possível arranjar em Portugal uma linha de crédito para os deputados da RENAMO poderem comprar automóveis. Eu dissera-lhe que me parecia muito complicado, ou melhor, muito difícil.
"É que o Doutor Nogueira Pinto compreende, em Moçambique, sobretudo nas províncias, o povo vê os chefes e deputados da FRELIMO nos seus carros privados… e os deputados da RENAMO no machimbombo. E não nos levam a sério! Dizem: 'Você não é mesmo deputado! Deputado tem carro, não anda de machimbombo!'"
Assim, e embora subsistissem alguns problemas e também alguns rancores e desconfianças do tempo da guerra civil, a verdade é que, seis anos depois dos Acordos de Paz de Roma e quatro anos depois das primeiras eleições multipartidárias, a paz e a reconciliação nacional eram uma realidade. Isto alegrava-me especialmente, pois apesar de ter sido um processo em que despendera menos tempo, esforço e recursos do que em Angola, tivera nele uma maior autonomia e influência, já que os grandes deste mundo - e particularmente os do mundo paralelo dos "arranjos" e "canalizações" - tinham estado ausentes e o processo fora mais livre."


Edgar Allan Poe, verdadeiro pai do conto de terror e do conto tout court, viveu nesta casa em Baltimore. Assim, com a neve, a neblina e a luz de Inverno que trazem, faz todo o género do escritor. Que para o ano que vem celebra o segundo centenário do nascimento.

sábado, novembro 22, 2008


"More important is this: Keep Gates. Reappointing Robert Gates as secretary of defense would be magnanimity with a purpose, a show of something better than cleverness, and that is wisdom.
We are at war, in two countries. The stakes don't get much higher. In Iraq at some point a drawdown will begin, with attendant drama and dislocation. Some will bomb our troops to get us out, and some will bomb our troops to keep us in. In Afghanistan, where those who are most deeply experienced believe the situation will get worse before it gets better, where the fighting is hard but an Iraq-style surge doesn't quite fit the situation or geography, our troops appear to be in the long slog, part two. Those back from the field speak of the time-consuming, resource-eating work of mind-changing, of recognizing and "incentivizing" potential allies, of economy-building, infrastructure-building, of tribal engagement, of buying off foes as Britain bought off members of the Irish Republican Army, of talking to the Taliban and other groups in the only way that will be effective, and that is from a position of strength.

What does Mr. Gates bring to this? Two years, next month, of success, and a professional lifetime of experience and knowledge. He is a bipartisan figure of respect—truly an object of across-the-board admiration. He is not part of the old crew that got us into war and bungled it but the new crew that stabilized it and created progress. And the point is to keep him not only for continuity, which may be virtue enough in a difficult and dynamic situation, but for his particular gifts and acumen. "Judgment," a high U.S. military official told me in conversation. Mr. Gates knows how to read the situation and make a decision. "He is brilliant," the official said. There are members of the military who once felt they had to wait forever when they asked for an answer on a request for change in materiel or tactics. But because Mr. Gates is so deeply read in, he prioritizes, apprehends, understands and gives directives quickly. The U.S. command structure, which is thick with veterans of previous secretaries of defense, would be encouraged—and relieved—by his reappointment.
Among Democrats there will be a proud and understandable sense of "We can run Defense too." They can. But of the possible Gates successors in the party none are—or can be—as knowledgeable in current on-the-ground realities. This is a particularly bad time for on-the-job training. As an added inducement for the president-elect, there will be clamor in the Democratic Party in the next few years to cut Defense, the one sizable chunk of the budget that can be cut and that they'd enjoy cutting. And in truth there has been some wild spending there. But few would know better than Mr. Gates what can be sacrificed and what cannot, and what needs more. Just by being there, he would provide the new president some Republican cover, which would take some of the sting out of a future Republican anticutting counterattack. "Democrats always cut defense and leave us weak. Wait, Gates said that cut is reasonable."
"Mr. Gates is a public servant, not an operator. He was director of the CIA (the only one in the agency's history to rise from an entry level position to the top) from 1991 to 1993 and George H.W. Bush's deputy national security adviser from 1989 through 1991. The last is key. Mr. Gates is from the George H.W. Bush part of the Republican foreign-policy establishment, not the George W. Bush part, and that is no doubt in part why W. picked him, when Iraq was going bad. Mr. Gates was change you can believe in.
He also knows something about winning wars, having helped six American presidents win the cold one.
Mr. Obama said on "60 Minutes" that he means to include Republicans in his cabinet. This is where to start. And of course there is a rich tradition here, with Bill Clinton putting Republican William Cohen at Defense, and John F. Kennedy picking Republican Douglas Dillon for Treasury.
Keeping Mr. Gates would signal that Mr. Obama is serious in his desire to reach across party lines, and in the area that matters most immediately: national security. With Joe Biden having thoughtfully pointed out that Mr. Obama will likely be tested early on, Mr. Gates would be a steadying hand and voice. Somehow you can't imagine him informing a new young president that the Bay of Pigs is a good idea.
Would Mr. Gates stay? He said last week, in Estonia: "I have nothing new to share with you on this subject." Pentagon press secretary Geoff Morrell told Politico on Wednesday. "I'm going to stick with the secretary's very eloquent response."
That sounds like yes."

sexta-feira, novembro 21, 2008


Lanço este livro, que conta a história da África Austral lusófona, entre 1974 e 2002, da Descolonização ao fim da guerra civil angolana, na próxima segunda feira, 24 de Novembro. A apresentação do livro, editado pela Esfera dos Livros será feita pelo Embaixador Francisco Seixas da Costa. O local é o Salão Nobre da ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DE LISBOA, Rua das Portas de Santo Antão, 89 (em frente ao Coliseu).

Jaime Nogueira Pinto, JOGOS AFRICANOS, A Esfera dos Livros, Lisboa, 2008, 544 pp.

quarta-feira, novembro 19, 2008


November 19, 2008, 12:40 pm
Al Qaeda Leader Weighs In on Obama, Insultingly

"Ayman al-Zawahri, the reputed second-in-command of Al Qaeda, has apparently responded to the election victory of President-elect Barack Obama in a vitriol-laden video message posted on Web forums on Wednesday.
In it, Mr. Zawahri says Mr. Obama’s election was an admission by the American people of defeat in Iraq (because of Mr. Obama’s stated desire for hastened withdrawal from the country) and he refers to Mr. Obama as a “house negro” for supporting the policies of the West.
“The American people, by electing Obama, declared its anxiety and apprehension about the future towards which the policy of the likes of Bush is leading it, and so it decided to support someone calling for withdrawal from Iraq,” Mr. Zawahri is heard saying in the 11-minute, 23-second video, in Arabic with English subtitles, according to a transcript provided by the SITE Intelligence Group, which monitors Islamist Web sites.
If the message, entitled “The Departure of Bush and Arrival of Obama,” proves to be authentic, it would be the first acknowledgment by Al Qaeda of Mr. Obama’s election victory and the first time it has addressed the president-elect.
Mr. Zawahri is heard in the video criticizing Mr. Obama for, he says, betraying his Muslim origins, and says Mr. Obama’s plans for shifting American troops from Iraq to bolster force levels in Afghanistan were “destined for failure before it was born.”
“And be aware that the dogs of Afghanistan have found the flesh of your soldiers to be delicious, so send thousands after thousands to them,” he adds, in fairly evocative terms.
SITE said the video was produced by as-Sahab, the multimedia arm of al-Qaeda.
It does not include video footage of Mr. Zawahri; rather, he is seen in a still image, with a bookcase as a backdrop, and is heard speaking between images of Mr. Obama standing at the Western Wall in Jerusalem and Malcolm X kneeling in prayer. His voice is heard speaking calmly and steadily.
The video also includes clips of Malcolm X giving a speech, and Mr. Zawahri contrasts Mr. Obama with Malcolm X: “You represent the direct opposite of honorable black Americans like Malik al-Shabazz, or Malcolm X (may Allah have mercy on him),” Mr. Zawahri says, according to the transcript:
You were born to a Muslim father, but you chose to stand in the ranks of the enemies of the Muslims, and pray the prayer of the Jews, although you claim to be Christian, in order to climb the rungs of leadership in America. And in you and in Colin Powell, Rice and your likes, the words of Malcolm X (may Allah have mercy on him) concerning ‘House Negroes’ are confirmed.
The references to Malcolm X are a propaganda tactic that Al Qaeda has used before, according to Adam Raisman, an analyst at SITE. In a speech released in 2007, Mr. Zawahri included quotations and film clips of Malcolm X, apparently hoping “to court minorities,” Mr. Raisman said.
Mr. Zawahri has also used the derogatory term “house negro,” meaning an obeisant slave, in a 2007 speech, when he criticized other prominent African Americans."


JEFFERSON CITY, Mo. -- Republican John McCain has defeated President-elect Barack Obama in Missouri -- the last state to be decided in the 2008 presidential election.
Sen. McCain's narrow victory over Sen. Obama breaks a bellwether streak in which Missourians had picked the winning presidential candidate in every election since 1956.
With all jurisdictions reporting complete but unofficial results, Sen. McCain led Mr. Obama by 3,632 votes Wednesday out of more than 2.9 million cast -- a margin of 0.12 percentage points.
Both men spent considerable resources trying to win Missouri, a state that Mr. Obama ultimately did not need for his national victory. Obama won 365 electoral votes. Missouri's 11 electoral votes will give Sen. McCain 173.

Associated Press

segunda-feira, novembro 17, 2008


Em TNR (The New Republic)
"Hillary at State? "

"Some questions about the speculation du jour:
--Would Obama really welcome the drama having Clinton in his cabinet would inevitably entail?
--How does John Kerry feel today?
--How many other serious candidates are out there? I don't get the sense that may foreign policy insiders take the idea of Bill Richardson very seriously. Kerry is a possibility but one gets the sense that he's running for it harder than someone with high confidence that he'll get the job.
--How would Joe Biden feel? Presumably he'd feel competitive with a very strong personality at State.
--Would tapping Hillary come with an assurance that Bill would make himself scarce--or that he would put his considerable popularity around the world to work in Obama's name?
--Why is Hillary's foreign policy guru Richard Holbrooke (apparently) out of the Obama loop right now if Hillary herself is a real contender?
--How many other women are in line for top cabinet appointments, and is that a factor here?" --

Michael Crowley



Os Ingleses estão experimentando, no seu atribulado império da Índia, a verdade desse humorístico lugar-comum do século XVIII: «A história é uma velhota que se repete sem cessar.» O fado ou a Providência, ou a entidade qualquer que lá de cima dirige os episódios da campanha do Afeganistão, em 1847, está fazendo simplesmente uma cópia servil, revelando assim uma imaginação exausta.Em 1847, os Ingleses – «por uma razão de estado, uma necessidade de fronteiras científicas, a segurança do império, uma barreira ao domínio russo da Ásia...» e outras coisas vagas que os políticos da Índia rosnam sombriamente retorcendo os bigodes – invadem o Afeganistão, e aí vão aniquilando tribos seculares, desmantelando vilas, assolando searas e vinhas: apossam-se, por fim, da santa cidade de Cabul; sacodem do serralho um velho emir apavorado; colocam lá outro de raça mais submissa, que já trazem preparado nas bagagens, com escravas e tapetes; e logo que os correspondentes dos jornais têm telegrafado a vitória, o exército, acampado à beira dos arroios e nos vergéis de Cabul, desaperta o correame e fuma o cachimbo da paz... Assim é exactamente em 1880. No nosso tempo, precisamente em 1847, chefes enérgicos, messias indígenas, vão percorrendo o território, e com grandes nomes de pátria, de religião, pregam a guerra santa: as tribos reúnem-se, as famílias feudais correm com os seus troços de cavalaria, príncipes rivais juntam-se no ódio hereditário contra o estrangeiro, o homem vermelho, e em pouco tempo é todo um rebrilhar de fogos de acampamento nos altos das serranias, dominando os desfiladeiros que são o caminho, a entrada da Índia... E quando por ali aparecer, enfim, o grosso do exército inglês, à volta de Cabul, atravancado de artilharia, escoando-se espessamente por entre as gargantas das serras, no leito seco das torrentes, com as suas longas caravanas de camelos, aquela massa bárbara rola-lhe em cima e aniquila-o. Foi assim em 1847, é assim em 1880. Então os restos debandados do exército refugiam-se em alguma das cidades da fronteira, que ora é Gasnat ora Candaar: os Afegãs, correm, põem o cerco, cerco lento, cerco de vagares orientais: o general sitiado, que nessas guerras asiáticas pode sempre comunicar, telegrafa para o vice-rei da Índia, reclamando com furor «reforços e chá e açúcar!» (Isto é textual; foi o general Roberts que soltou há dias este grito de gulodice britânica; o Inglês, sem chá, bate-se frouxamente.) Então o governo da Índia, gastando milhões de libras como quem gasta água, manda a toda a pressa fardos disformes de chá reparador, brancas colinas de açúcar e dez ou quinze mil homens. De Inglaterra partem esses negros e monstruosos transportes de guerra, arcas de Noé a vapor, levando acampamentos, rebanhos de cavalos, parques de artilharia, toda uma invasão temerosa... Foi assim em 47, assim é em 1880.

EÇA DE QUEIRÓS, "Cartas de Inglaterra"

domingo, novembro 16, 2008


Dublin, Irlanda. Com o farol ao fundo, as nuvens do Atlântico e uma memória de clãs armados, de guerras de religião, de um ou outro fantasma (comprei aqui um livro uma antologia de"Irish Ghosts"). E do mais famoso passeio urbano da Literatura, o do Bloom-Joyce-Ulisses pelas ruas , tabernas, bordeis, e sabe Deus e os especialistas que mais, desta cidade.
Hoje vamos lá.

sábado, novembro 15, 2008


A sessão dupla dos sábados à noite foi já duas vezes seguidas composta por um filme de Manoel de Oliveira e um filme americano "comercial" com uns aninhos. Na primeira sessão, o filme americano era um Frank Capra, na semana que passou era um "Tarzan", o primeiro com o campeão de natação Johnny Weissmuller, Tarzan, the Ape Man, Tarzan, o homem macaco, 1931, o primeiro também do cinema sonoro, onde, portanto, pela primeira vez se ouviu o célebre grito do protagonista. (O Oliveira era a Viagem ao princípio do mundo, último filme de Marcello Mastroiani, a que, confesso, assisti do princípio ao fim.) Mas já é sábado outra vez e confirma-se o programa: na RTP2, às 22.45, O Quinto Império - Ontem como hoje, 2004; depois As aventuras de Robin dos Bosques de Errol Flynn, 1938, de Michael Curtiz, antes de Casablanca e que, antes e depois, até 1961 e o estimável Comancheros, dirigiu dezenas de filmes. Curtiz era de origem húngara (mais um dos muitos húngaros que arribaram à América entre as duas guerras e à indústria do cinema e levaram alguém a pregar à porta do seu gabinete de produtor "Não basta ser húngaro, também é preciso ter talento!"); Curtiz nunca falou bem inglês e uma das suas macarrónicas frases foi imortalizada por David Niven no título de um dos volumes das suas divertidísimas memórias: Bring on the Empty Horses! (Os outros dois são The Moon is a Balloon e Go Slowly, Come Back Quickly; procurem e leiam, que não se arrependem.)


Jenniffer Connely in Hulk (Isn´t She beautiful?)


Look in thy glass, and tell the face thou viewest
Now is the time that face should form another;
Whose fresh repair if now thou not renewest,
Thou dost beguile the world, unbless somemother,
For where is she so fair whose unear'd womb
Disdains the tillage of thy husbandry?
Or who is he so fond will be the tomb
Of his self-love, to stop posterity?

Thou art thy mother's glass, and she in thee

Calls back the lovely April of her prime;
So thou through windows of thine age shalt see,

Despite of wrinkles, this thy golden time.
But if thou live, remember'd not to be,
Die single, and thine image dies with thee.

sexta-feira, novembro 14, 2008


A Revista Sábado pediu-me que, para um exercício de história-ficção, fizesse um cenário negativo da Administração Obama em 4 anos, para 2012. Daniel Oliveira ficou com o positivo. Publico aqui o meu, com alguns aditamentos, que por razões de espaço não couberam na edição da Revista de 13 de Novembro de 2008.


O Presidente Barack Obama olhou com nostalgia a foto de Grant Park, tirada no preciso momento em que soubera, pela vitória na Pensilvânia e no Ohio, que ia ser o 44º Presidente dos Estados Unidos. Tinham passado quatro anos sobre a imensa mole de americanos de todas as etnias, idades, origens e classes que ali o aclamava, com as luzes mágicas
do skyline de Chi em fundo.
Ele, o desconhecido, com raízes em África, na Ásia, no além-mar, em lado nenhum, era nesse dia o eleito do povo e do Destino, levando consigo os milhões de negros da América e as memórias de muitas humilhações e ofensas. Fora uma saga fantástica, uma corrida vertiginosa. Das conversas com alguns amigos e velhos routiers democráticos surgira e florescera ali, em Chicago, o projecto. Depois batera Hillary Clinton, a toda-poderosa senhora do partido, a que, à partida, parecia ter tudo – a experiência, o nome, o dinheiro, os barões. E por fim, McCain, que tinha o handicap de ser republicano, mas que era um herói americano, um mito nacional. Fora uma guerra renhida até que, na hora H, com McCain já próximo, o amaldiçoado-abençoado crash financeiro lhe viera consolidar a vantagem.

A economia, estúpidos!
Obama reconhecia a qualidade do adversário. E tinha discutido com os seus conselheiros o “factor racial”, o “efeito Bradley”, a questão da cor para os trabalhadores brancos da baixa classe média e das casas pink dos subúrbios – religiosos, preconceituosos e desconfiados – que não iriam querer um negro com ligações esquerdistas na Presidência. Mas até parte desse eleitorado ele conseguira conquistar.
O crash ajudara, criando a imagem dos republicanos como especuladores forrados de milhões mal ganhos. A partir daqui, queriam lá saber que ele fosse negro e que tivesse uma agenda liberal. O que não queriam era mais republicanos. Nem mesmo McCain. E quando os congressistas do GOP chumbaram o Plano Paulson à primeira, as polls dispararam a seu favor. Até na Florida e no Ohio. Outra vez a economia: estúpidos!

No princípio era o Afeganistão
Isto há quatro anos. E que quatro anos… Se a desgraça de George W. Bush começara no Iraque, com Paul Bremer e com os marines em Bagdad transformados em polícias, a dele, Obama, dera-se nas montanhas do Afeganistão. Apesar dos conselhos dos que lhe diziam que “o Afeganistão nem sequer era um país”, e que deixasse “os senhores da guerra tomar conta das coisas”, o peso dos intervencionistas democráticos e as suas próprias promessas levaram-no a reforçar a operação Afeganistão: a “boa guerra”. Os 35.000 homens que ali encontrara em 2008 passariam a 70.000 em 2009 e depois a 100.000.
Sem sucesso. Os talibãs continuavam a emboscar as tropas da NATO – (ou seja, os americanos, já que os aliados tinham deixado há muito de sair dos quartéis). E os europeus manifestaram-se logo que as baixas começaram a subir: “Se os mortos das guerras coloniais nos fizeram sair dos nossos impérios, por que diabo vamos morrer agora para o Afeganistão?”
A intenção de retirar do Iraque levara os locais a realinhar fidelidades: ao quebrar-se o equilíbrio que os americanos mantinham, os shiitas tinham recomeçado as hostilidades com os sunitas; no Norte, os curdos, sentindo-se em risco, tinham feito os seus jogos – com Israel, com os sunitas – enervando os turcos, que tinham invadido e ocupado Erbil.
A Al-Qaeda, contida pela aliança dos americanos com os chefes tribais, tinha voltado ao ataque. Em Bagdad, como em 2005 e 2006, voltavam a rebentar diariamente carros armadilhados.
Por isso tivera que parar a retirada para esta não parecer uma fuga, um risco acrescido para as suas tropas. E para a retirada correr bem era necessário reforçar e reordenar o dispositivo no terreno. O General Petraeus pedira a demissão e tornara-se um Wesley Clarck republicano, intervindo por todo o lado contra a administração. Não matava mas moía.
De resto o Médio Oriente continuava o mesmo vespeiro que sempre fora. Obama escolhera a diplomacia pessoal, tentando, como Carter, “levar os homens de boa vontade à mesa das negociações”, mas percebia agora o que o seu conselheiro Zibigniew Brezinsky lhe repetira: “Presidente, para os radicais é indiferente ser o senhor ou o Dick Cheney. Eles querem é ganhar!”. E não havia muitos homens de boa vontade naquelas terras Santas…
Mais terrorismo
Os terroristas escalavam. Em 2009, um míssil atingira um avião da Continental, na descolagem de Fiumicino; em 2010, tinham sido ataques nas capitais da NATO que mantinham tropas em Cabul; gases venenosos, terrorismo indiscriminado – nos metropolitanos, nos comboios, até contra um cruzeiro de reformados, nas Caraíbas. E com o gás sarin em S. Francisco fora o pior. Tudo isto apesar de ter assinado Kyoto, encerrado Guantanamo, de ter visitado a Palestina, de ter conversado como os ayatollas, com Chávez, Castro e Mugabe. Mas pouco ou nada acontecera. Chávez tinha como ponto de honra desafiar os gringos, fossem brancos, negros ou latinos e Mugabe era um autocrata mitómano e atrevera-se – o velho gagá – a chamar-lhe Uncle Tom!
A “Liga das Democracias”, uma ideia de Susan Parker e Anthony Lake trouxera-lhe a hostilidade de russos, de chineses e de autocratas de todos os credos. E os aliados europeus, apesar de enaltecerem a “boa governança”, “os direitos humanos”, a “transparência”, embatucavam quando tocava à aplicação de medidas: porque os autocratas russos, chineses e médio-orientais vendiam-lhes a energia, compravam-lhes os aviões, capitalizavam-lhes as empresas. E tinham, com os sovereign funds, comprado Detroit e metade de Wall Street.
Porque a economia era outro calvário: herdara uma gigantesca dívida, da subprime, dos junk bonds, das financeiras falidas, dos bancos à beira do colapso, dos banqueiros orfãos. Por isso os planos ambiciosos quanto à saúde, à educação, à segurança social – os pontos de honra da sua campanha – tinham sido comprometidos. Os conselheiros – entre outros, Paul Volcker, o Presidente do FED de Reagan, e Warren Buffet, o homem mais rico do mundo – faziam coro: devia governar ao centro, como toda a gente na América, por muito que custasse ao seu núcleo histórico. E por isso tinha os seus à porta e a protestar.

Com amigos destes…
Como os que queriam nacionalizar a indústria automóvel, para não ir para os árabes. E o dinheiro? Ou o Barney Frank, o senador gay assumido, que queria cortar o orçamento militar em 25%. E o Afeganistão? E que diriam os generais? E louco do John Conyers, do House Judiciary, que, como os esquerdistas europeus, queria julgar Bush por crimes de guerra!
Nenhum destes feudais do seu partido, advogados de interesses “liberais”, lhe tinha dado descanso. Era a mesma gente que tinha complicado as políticas de Carter e de Clinton. Só que ele, Obama, não estava disposto a deixar que lhe fizessem a cama e a agenda.
Depois de seis meses de graça, a sua presidência fora difícil. Que saudades do yes, we can! da campanha – um raid bem planeado, com novas tecnologias, com voluntários, muito dinheiro, três vezes o de McCain, que era o “candidato dos ricos”!
Mas governar era escolher, e escolher na margem dos fifty-fifty de vantagens e desvantagens. E escolher depressa, num país com 300 milhões de pessoas, grandes interesses opostos e agendas polémicas, como a energia e o ambiente. E a defesa contra um terrorismo que pouco tinha a ver com a pobreza dos árabes ou os métodos da CIA, mas mais com visões, fobias, interesses, ódios antigos, expectativas frustradas, humilhações – com a vida.
Não se podia satisfazer a todos quando se tinha que decidir: os primeiros desiludidos tinham sido alguns dos seus iniciais apoiantes radicais: como Frank e Conyers, como aqueles académicos e jovens brancos liberais, que achavam que a América devia ser uma espécie de ONG, sem exército, sem forças armadas, só mesmo soft power. E os seus simpatizantes europeus que lhe enviavam mensagens de desilusão – como o antigo presidente português Soares que lhe enviara um telegrama “Trés désilusioné avec Vous, si j’était américain je ne voteais pás plus pour Vous”. Ou o venerando Prémio Nobel, José Saramago, também português, que lhe retirara o seu apoio, quando ele reforçou o Afeganistão e ofereceu dobrar o prémio pela cabeça de Ben Laden. “Saramago, Soares, who cares?”, dissera-lhe o Rahn Emanuel… Verdade, preocupavam-no, a sério, outras coisas…
Meditação final
Voltou a olhar os últimos indicadores. O seu adversário, Arnold Schwartznneger, governador da Califórnia, estava na frente: além de ter reconquistado todo o território vermelho do Sul e Middle-West, entrara em força no Nordeste industrial – na Pensilvânia, no Ohio, no Wisconsin. E era capaz de levar a Califórnia. Oprah Winfrey (sim, também a fiel Oprah) acabara de entrevistar o ex-Conan numa longa peça apologética. Até os afro-americanos estavam agora a fragilizar o seu apoio. Sobretudo os religiosos – muitos – que não alinhavam na agenda dos costumes e votavam os referendos estaduais contra o gay-marriage e a adopção por homossexuais. E soubera que até no Quénia, em Nairobi, havia um movimento popular para retirar o seu nome das placas das ruas e praças do país. A razão invocada é que não beneficiara os seus, que era ingrato, como qualquer branco ou colonialista!
Os católicos também estavam contra as políticas da família e a agenda progressista; como os latinos, decisivos no Novo México, Colorado e Florida.
Pensou, com alguma simpatia, no seu antecessor George W… Também se devia ter sentido assim, sozinho, humilhado, abandonado. Não era mau tipo, com o seu ar de filho-família entre o atento e o admirado. A culpa era mesmo capaz de ter sido do Cheney e dos neocons. Que agora – e eram dos últimos e dos únicos – o apoiavam no Afeganistão. Deus o ajudasse!

P.S. Desafiado para fazer o cenário “mau”, aceitei. Mas espero, para bem de todos, que qualquer semelhança com a realidade seja pura coincidência.
Jaime Nogueira Pinto
Revista Sábado, 11 de Novembro 2008

quinta-feira, novembro 13, 2008


Do WSJ de hoje, sobre a constituição dos grupos de transição da Administração Obama:

"WASHINGTON -- President-elect Barack Obama's first extensive roster of transition advisers sheds light on the types of people his administration will lean on and what institutions may claim clout in the new Washington.
The Obama transition team released the names of 13 people on Wednesday who will direct a top-to-bottom review of federal agencies and another six who will lead teams that will review Treasury, State and Defense department policy, budget and personnel issues.

The group is filled with second-tier veterans of the Clinton administration and workers in the technology and financial sectors. It includes four former lobbyists, three top campaign fund-raisers and two former employees of troubled mortgage giant Fannie Mae, with some overlap among them. Four people in the group have ties to the consultant McKinsey & Co. and two have experience leading high-tech start-ups."

domingo, novembro 09, 2008


"Harbor night", Charles Reiffel, 1936.

sábado, novembro 08, 2008


Por crises financeiras, lembrei-me que a primeira crise financeira de dimensão da História moderna foi a causada pela escocês John Law, que no tempo da Regência em França se apoderou, graças ao apoio do Regente Philippe de Orleans, do sistema financeiro francês, e através de uma série de esquemas criou uma enorme bubble que arruinou uma parte da sociedade francesa.

Lembrei-me também que a primeira vez que vi contada esta história foi no "Lagardère", uma das leituras mais empolgantes da minha infância.
E era aqui na rue Quincampoix que ficavam os escritórios do Law e onde aparecia "o Corcunda", um disfarce de conveniência do cavaleiro de Lagardère. Que tempos.

sexta-feira, novembro 07, 2008


Em The New Republic escreve Marty Peretz:

4. " No American voting bloc is actually a voting bloc. African Americans and Latinos voted overwhelmingly (and, in the end, decisively) for Obama. That is the sweet. But there is the bitter with the sweet, as often in real life. Black and Hispanic suffrage brings liberal election victories. But also liberal issue failures. Like gay marriage, gay parenting (made illegal in Arkansas, by the way), abortions...and we shall see more of this, rather than less. Did the religious right grasp that racial minorities were on some issues (many issues, perhaps) phobic in the way that the religious right is phobic? Is this the basis for an as yet unimagined political realignment? So you know what I mean by the bitter?"

quinta-feira, novembro 06, 2008


Na Califórnia, na Florida e no Arizona, referendos populares proibiram expressamente o casamento de pessoas do mesmo sexo. Estes referendos juntam-se a outros anteriores e agora em 30 dos 50 Estados norte-americanos é proibido por decisão popular maioritária com força constitucional o casamento entre pessoas do mesmo sexo.


"Let America be America Again"

Let America be America again.
Let it be the dream it used to be.
Let it be the pioneer on the plain
Seeking a home where he himself is free.
(America never was America to me.)

Let America be the dream the dreamers dreamed-
-Let it be that great strong land of love
Where never kings connive nor tyrants scheme
That any man be crushed by one above.
(It never was America to me.)

O, let my land be a land where Liberty
Is crowned with no false patriotic wreath,
But opportunity is real, and life is free,
Equality is in the air we breathe.
(There's never been equality for me,
Nor freedom in this "homeland of the free.")

Say, who are you that mumbles in the dark?
And who are you that draws your veil across the stars?
I am the poor white, fooled and pushed apart,
I am the Negro bearing slavery's scars.
I am the red man driven from the land,
I am the immigrant clutching the hope I seek-
-And finding only the same old stupid plan
Of dog eat dog, of mighty crush the weak.
I am the young man, full of strength and hope,
Tangled in that ancient endless chain
Of profit, power, gain, of grab the land!
Of grab the gold!
Of grab the ways of satisfying need!
Of work the men!
Of take the pay!
Of owning everything for one's own greed!

I am the farmer, bondsman to the soil.
I am the worker sold to the machine.
I am the Negro, servant to you all.
I am the people, humble, hungry, mean-
-Hungry yet today despite the dream.
Beaten yet today-O, Pioneers!
I am the man who never got ahead,
The poorest worker bartered through the years.
Yet I'm the one who dreamt our basic dream
In the Old World while still a serf of kings,
Who dreamt a dream so strong, so brave, so true,
That even yet its mighty daring sings
In every brick and stone, in every furrow turned
That's made America the land it has become.
O, I'm the man who sailed those early seas
In search of what I meant to be my home--
For I'm the one who left dark Ireland's shore,
And Poland's plain, and England's grassy lea,
And torn from Black Africa's strand
I came
To build a "homeland of the free".

The free?
Who said the free?
Not me?Surely not me?
The millions on relief today?
The millions shot down when we strike?
The millions who have nothing for our pay?
For all the dreams we've dreamed
And all the songs we've sung
And all the hopes we've held
And all the flags we've hung,
The millions who have nothing for our pay
--Except the dream that's almost dead today.

O, let America be America again-
-The land that never has been yet-
-And yet must be--the land where every man is free.
The land that's mine--the poor man's,
Indian's, Negro's, ME-
-Who made America,
Whose sweat and blood, whose faith and pain,
Whose hand at the foundry, whose plow in the rain,
Must bring back our mighty dream again.

Sure, call me any ugly name you choose-
-The steel of freedom does not stain.
From those who live like leeches on the people's lives,
We must take back our land again, America!

O, yes,I say it plain,
America never was America to me,
And yet I swear this oath-
-America will be!
Out of the rack and ruin of our gangster death,
The rape and rot of graft, and stealth, and lies,
We, the people, must redeem
The land, the mines, the plants, the rivers.
The mountains and the endless plain--
All, all the stretch of these great green states-
-And make America again!

Langston Hughes

quarta-feira, novembro 05, 2008


"Conservatism Can Rise Again"

America is not as conservative as it seemed in 2004 and it isn't as liberal as it looks this morning.
What happened is that four years ago, voters put their trust in one political party to run the country and they didn't like the results, and so, over the course of two elections, they systematically threw out that political party and turned to a different one. If Democrats disappoint the public, they could be waking up on a not so distant November morning just as devastated as Republicans are today.
Those who are in the profession of writing the first rough draft of history would have us believe that a single election result can signal the end of an intellectual tradition, but actual history instructs us otherwise. This is especially true for conservatism, which rose from the staggering defeat of one its own in 1964, to a glorious triumph 16 years later.
John McCain is an honorable man who sacrificed more for this nation than most of us can imagine, but he's also eccentric and idiosyncratic. During the campaign, he railed against Wall Street greed and excessive CEO pay on the one hand and against his opponent's plans to redistribute wealth on the other; he called for a spending freeze while proposing that government spend hundreds of billions of dollars to freeze home foreclosures by partially socializing the housing market.
Of all the ways to put these election results in broader historical context, it's quite a stretch to equate the defeat of John McCain with the end of conservatism.
At the same time, it would be irresponsible and unhelpful to ignore the severe challenges conservatism faces in both the immediate and long term.
WHEN HE ENTERED the presidential race nearly two years ago, most conservatives didn't give Barack Obama a chance against the vaunted Clinton machine. After he finally emerged victorious from the protracted primary, many conservatives clung to the belief that disgruntled Clinton voters and working class whites in rural areas would deny him the presidency. To date, Obama has proven all of the skeptics wrong.
The sooner conservatives realize that Obama is not merely a gifted orator, but an incredibly talented politician with the potential to be a transformational liberal leader, the better prepared they will be to resist his agenda. In a time of economic crisis, with Democrats having overwhelming control of both chambers of Congress, stopping him will be difficult, but it won't be impossible.
Although Obama has radical liberal roots, he was elected president by papering over his past, and convincing Americans that he was a pragmatic moderate who would cut their taxes and be more fiscally responsible than President Bush. Democrats won Congressional races in traditionally conservative districts in much the same way. If, once in power, Obama and his Democratic allies cater to their liberal base, it will be jarring to Americans who had something different in mind when they voted for the abstract concept of change.
Conservatives won't thwart Democrats by name-calling, but by articulating to the country why liberal proposals will have disastrous implications, and emphasizing that there is little room left to expand social programs when the government has to fund a $700 billion bailout -- just as tax revenue falls as a result of the shrinking economy. "

terça-feira, novembro 04, 2008


A morte é a curva da estrada

A morte é a curva da estrada,
Morrer é só não ser visto.
Se escuto, eu te oiço a passada
Existir como eu existo.

A terra é feita de céu.
A mentira não tem ninho.
Nunca ninguém se perdeu.
Tudo é verdade e caminho.

Fernando Pessoa, CANCIONEIRO

segunda-feira, novembro 03, 2008


No anterior post, um erro garrafal: os filmes de que falei não passavam no AXN, era no Hollywood! Aqui fica a correcção - e ficam as minhas desculpas (num dos fascinantes momentos que estes meios permitem, já me dei ao prazer estalinista de reescrever a história). Mas a AXN também tinha merecido uma menção ontem: valia a pena ter lá ido ver (muito cedo!) One False Move (Confronto em L.A., 1992) de uma "grande esperança negra", Carl Franklin, um realizador que tem sido sempre interessante, e depois o Calúnia, (Absence of Malice, 1981) em que Sidney Pollack e Paul Newman mostram como a questão dos limites da liberdade de imprensa - ou a falta deles - é finalmente, como muitas outras coisas, uma questão de simples decência. Hoje, o mesmo Hollywood a que ontem troquei o nome, deu-nos à tarde a oportunidade de ver Atrás do espelho (Bigger than Life, 1956), um filme de Nicholas Ray que, de passagem e oblíquamente, traça um virulento retrato do politicamente correcto no sistema de ensino e educação nos Estados Unidos: podia chamar-se, como se chamou em português um dos filmes de Frank Capra, "um doido com juízo" e é interessante confrontá-lo com um dos temas, senão "o" tema, de um outro filme de Nick Ray, o famoso Rebelde sem causa (Rebel Without a Cause, 1955), a falência do "poder paternal"; no Hollywood pode ainda ver-se, à 1.00, American Gigolo, uma espécie de remake do Pickpocket de Robert Bresson, escrito e dirigido por Paul Schrader (não por acaso este cineasta e crítico escreveu o livro Transcendental Style in Film: Ozu, Bresson, Dreyer).

domingo, novembro 02, 2008


Às zero horas de segunda-feira, no Hollywood, passa uma das menos conhecidas adaptações cinematográficas - entre todas as que fizeram a sua fortuna póstuma - de Philip K. Dick: trata-se de Gritos mortais, (Screamers, 1995); é também uma das melhores, no seu despretenciosismo, dirigida por Christian Duguay e com argumento assinado por Dan O'Bannon, um nome talvez não muito ouvido pelo grande público mas bem conhecido pelos interessados na ficção científica e géneros aparentados no cinema - Alien (vários, a começar pelo primeiro), Night of the Living Dead - 1985 - etc., ficam para outra vez mais pormenores). Hoje, no mesmo canal, uma revisão de entertainments variados: passaram outra vez a Charada (Charade, 1963, Stanley Donen), de que não vamos outra vez falar e Romance perigoso (Out of Sight, 1998, Elmore Leonard muito bem adaptado por Steven Soderbergh), os Caça-Fantasmas (Ghostbusters, 1984, Ivan Reitman, com Bill Murray) - é agora às 20.00 - e às 22.00 The Chronicles of Riddick, 2004, de David Twohy: um arco de mais de quarenta anos, diferentes géneros e estilos do cinema americano. Ontem, na RTP2 dois continentes de novo, e duas épocas: o filme europeu da dupla da noite foi o Non, ou a vã glória de mandar, de Manuel de Oliveira, que mais uma vez não pude ver, e Mr. Smith Goes to Washington (Peço a palavra, 1939), um dos mais queridos filmes de Frank Capra, com James Stewart, uma peça muito bem arquitectada e realizada de propaganda democrática americana, cuja sinceridade faz esquecer os seus "truques".


KirKaldy, Fife, Escócia, lugar de nascimento de Adam Smith. Nestes dias de crise financeira é interessante lembrar que o "pai da Economia Política" era um moral philosopher e que a sua primeira obra importante se chamou The Theory of Moral Sentiments.
Na economia como no resto tudo começa na cabeça das pessoas.


Da edição de fim de semana do Wall Street Journal

"A curiosity of this Presidential campaign has been the way former media idolaters of John McCain have suddenly turned on him. They now claim to be horrified by his choice of Sarah Palin, or by his ad hoc economic decision-making, or his TV ads, or something. Whom do they think they've been praising all these years?
The John McCain of this campaign is the same as he ever was. The former Navy pilot's politics has always been more personal than ideological. His core convictions are duty, honor and country. He has always been passionate to the point of being impulsive, an unguided policy missile until he locks on target. Then he can be tenacious, and sometimes moralistic. These traits have characterized the McCain candidacy for better or worse and, we suspect, would also mark his Presidency. What the media can't say with a straight face is that they are shocked by any of this; they should admit they've simply found a new romance in Barack Obama.
If the 2008 election were solely about character and experience, Mr. McCain would be winning in a walk. Few Presidential nominees have been better known or more admired. A McCain Presidency would have its surprises, but they would not be from personal vice or political scandal. His courage has been tested far more than most -- both in a personal sense in Vietnam, and in a political sense during the Iraq war.
Arguably the finest hour of Mr. McCain's career was his support for the Iraq surge at the height of the war's unpopularity. It was gratifying to see this virtue vindicated as he won the GOP nomination. But in an irony of history, his very far-sightedness on Iraq and the success of the surge have made national security seem less urgent as Election Day nears. His commanding edge over Mr. Obama as a Commander in Chief seems less compelling to many voters than do their current fears about the economy.
If Mr. McCain does lose, a President Obama would also now inherit a far more stable and pro-American Iraq thanks to the Republican's efforts and no thanks to Mr. Obama's antiwar opportunism. In a further irony if he loses, Mr. McCain would return to the Senate and do his utmost to support a President Obama's campaign in Afghanistan or against Iran. That favor would not be returned if Mr. McCain wins. This too is a sign of the Arizonan's honorable character.
Mr. McCain's bad luck is to be running in a year when character and experience aren't enough. His party is at a low public ebb and the financial system imploded only weeks before Election Day. The first problem he could overcome with his history as a GOP apostate. The second hasn't played to his strengths but has instead revealed his penchant for -- let's be charitable -- political wanderlust.
Looked at individually, most of Mr. McCain's economic proposals are sensibly conservative, and some are even bold. They are superior to Mr. Obama's, and if implemented would make a recession shallower and shorter. They are also politically braver, especially his support for free trade. His health-care plan in particular amounts to genuine "progressive" change in the sense that it would redistribute tax benefits from the well-to-do to the uninsured working class. Mr. Obama's health plan by contrast is one more incremental -- if larger than usual -- increase in government control. But Mr. McCain was never able, or willing, to explain the differences.
More broadly, he has never explained to fearful Americans how an economy with Republicans at the helm could fall into this ditch. His one-line explanation for the financial panic has been "greed and corruption" on Wall Street and Washington. Voters know that's simplistic and would have been open to a larger, and truer, argument.
Once the panic hit in September, Mr. McCain's penchant for hyperactivity was also less than reassuring. He suspended his campaign to lead the "bailout" talks without a clear idea of what he favored. He offered to bring all sides together but in the process made himself hostage to Nancy Pelosi and House Republicans. All of this let Mr. Obama pose, paradoxically, as the steadier hand, even if all he did was sit back and bow to Congressional Democrats.
In the final days, Mr. McCain has finally gained traction by pounding away on Mr. Obama's enormous tax increases. But this would be a far more powerful argument if it were linked to the larger challenges that the U.S. faces in a world of competition from China and India, or to the dangers of making the U.S. into a European welfare state. Without such an argument, millions of anxious voters may default to Mr. Obama's alluring if vague case for "change."
Mr. McCain's surprising choice of Governor Palin was another example of his brand of politics by personal instinct. The Alaska Governor has fired up the GOP base, and as a candidate she has been less embarrassing by far than Joe Biden. But it is also true that her performance in early interviews gave the media a chance to assail Mr. McCain's judgment and has diminished her own political standing. The campaign -- and Mr. McCain -- should have been better prepared for the media assault that always hits a GOP unknown.
Perhaps the best case for the McCain candidacy -- apart from national security -- is that he would be a check on what is likely to be an emboldened and dangerous left-wing Congress. He would surely work with Democrats on some things -- for the better perhaps on immigration, for the worse on energy "cap and trade" regulation. However, unlike President Bush, Mr. McCain wouldn't wait four years to use his veto pen.
In this difficult year, Mr. McCain has had the harder sale to make. His admirable personal tenacity has been better than his variable political argument. We'll find out Tuesday if biography trumps hope."

sábado, novembro 01, 2008


GLORY OF WOMEN (Craiglockhart, 1917)

By Siegfried Sassoon

You love us when we're heroes, home on leave,

Or wounded in a mentionable place.

You worship decorations; you believe

That chivalry redeems the war's disgrace.

You make us shells.

You listen with delight,

By tales of dirt and danger fondly thrilled.

You crown our distant ardours while we fight,

And mourn our laurelled memories when we're killed.

You can't believe that British troops "retire"

When hell's last horror breaks them, and they run,

Trampling the terrible corpses - blind with blood.

O German mother dreaming by the fire,

While you are knitting socks to send your son

His face is trodden deeper in the mud.


Peggy Noonan, que foi uma das speechwriters de Ronald Reagan e continua a ser uma das mais lúcidas e mais lidas cronistas conservadoras norte-americanas escreve na edição de fim de semana do Wall Street Journal:

"Whoever is elected Tuesday, his freedom in office will be limited. Mr. Obama is out of money and Mr. McCain is out of army, so what might be assumed to be the worst impulses of each -- big spender, big scrapper -- will be circumscribed by reality. In Mr. Obama's case, energy will likely be diverted to other issues. He will raise taxes, of course, but he may also feel forced to bow to a clamorous base with the nonspending items they favor: the rewriting of union law to force greater unionization of smaller shops, for instance, and a return to a "fairness doctrine" that would limit free speech on the air.
And there is this. The past few months as the campaign unfolded, I listened for Mr. Obama to speak thoughtfully about the life issues, including abortion. Our last Democratic president knew what that issue was, and knew by nature how to speak of it. Bill Clinton famously said, over and over, that abortion should be "safe, legal and rare." The "rare" mattered. It set a tone, as presidents do, and made an important concession: You only want a medical practice to be rare when it isn't good. For Mr. Obama, whose mind tends, as intellectuals' minds do, toward the abstract, it all seems so . . . abstract. And cold. And rather suggestive of radical departures. "That's above my pay grade." Friend, that is your pay grade, that's where the presidency lives, in issues like that.
But let's be frank. Something new is happening in America. It is the imminent arrival of a new liberal moment. History happens, it makes its turns, you hold on for dear life. Life moves.
A fitting end for a harem-scarem, rock-'em-sock-'em shakeup of a year -- one of tumbling inevitabilities, torn coalitions, striking new personalities.
Eras end, and begin. "God is in charge of history." And so my beautiful election ends."